Acessibilidade:

Meio Ambiente

GESTÃO DE RESÍDUOS

 

A Secretaria responsável pela execução e controle da limpeza urbana do município é a Secretaria de Obras e Serviços Urbanos. Entretanto, o Departamento Municipal de Meio Ambiente-DEMA, atento à Política Nacional de Meio Ambiente e Política Nacional de Resíduos Sólidos, no que diz respeito à divulgação de informações ambientais e à formação de uma consciência pública sobre a necessidade de preservação da qualidade ambiental e do equilíbrio ecológico, cria este espaço a fim de esclarecer questões relacionadas à disposição e destinação adequada de resíduos sólidos.

 

  • Informações
  • Dúvidas frequentes

 

 
INFORMAÇÕES

Todos os resíduos gerados pelas atividades humanas devem ser dispostos corretamente, para que evitem maiores prejuízos ao meio ambiente, como poluições do solo e da água, ou até mesmo a transmissão de doenças. Nosso município está constantemente tomando providências e realizando adequações em relação à destinação destes resíduos, para que estes problemas sejam evitados.

O município de Carazinho possui um aterro sanitário, que recebe todo o lixo recolhido pelo serviço de coleta, exercido por uma empresa particular, cujo gerenciamento é de competência municipal e regido por práticas que visem o bem estar da população.

O processo de destinação dos resíduos sólidos de origem urbana e industrial compreende etapas de coleta, transporte e destinação final, onde as duas últimas são consideradas mais importantes, pois o volume de resíduos coletados e o destino a qual recebem, interferem tanto direta quanto indiretamente, no bem estar da população. O aterro sanitário municipal recebe uma cobertura diária de lixo por material adequado, visto que antes de serem depositados, estes materiais são preliminarmente separados, evitando que animais se proliferem, assim como o mau cheiro e a poluição visual.

Pensando nisso, o DEMA tem interesse em contribuir com o meio ambiente, apontando medidas simples de separação do lixo doméstico, que podem ser feitas em casa, sem prejuízos nem gastos, e também disseminar informações à população carazinhense, para que a cidade seja um lugar bom para todos.

O lixo doméstico é aquele originado pelas atividades residenciais, e é composto em grande parte por matéria orgânica, que irá se decompor até mesmo antes de chegar ao aterro e não poderá ser reutilizado de forma alguma, pois além de causar mau cheiro também atrai doenças. São exemplos de lixo orgânico restos de alimentos, filtros de café, cascas de frutas e verduras, etc. Caso hajam possibilidades e interesse de cada morador, podem ser usados como adubo em hortas e plantas.

O lixo seco poderá ser encaminhado para reciclagem, porém não deve estar amassado nem sujo com restos de comida, por isso estes dois tipos não devem ser misturados. São exemplos de lixo seco caixas de ovos, caixas de leite lavadas, plásticos e embalagens de alimentos e produtos de limpeza, garrafas pet lavadas, etc. Materiais cortantes como vidros devem ser embrulhados ou colocados em uma caixa identificada para evitar acidentes. Pilhas devem ser devolvidas aos fabricantes ou depositadas nos coletores do DEMA espalhados em pontos específicos da cidade. Restos de madeira ou móveis podem ser desmontados, reutilizados e depositados nos contêineres, e as empresas que possuem grandes quantidades de pneus podem realizar cadastro prévio e entregá-los gratuitamente no ECOPONTO. Lâmpadas queimadas devem ser devolvidas aos fabricantes juntamente com a nota fiscal.

A preservação do meio ambiente começa com pequenas atitudes diárias, que fazem toda a diferença. A oportunidade de fazer essa separação prévia também vai permitir uma análise do consumo, e do quanto é desperdiçado, assim como da real necessidade de adquirir ou não determinados produtos, ajudando a julgar o que pode ser reaproveitado ou não, antes de ser encaminhado para descarte. Afinal, colocar os resíduos nos locais devidos não nos custa nada e ainda contribui para uma qualidade de vida de toda a população.

Colaboração: Shana de Oliveira


[topo]

 

 
 
DÚVIDAS FREQUENTES

1. Quais materiais podem ser reciclados?

Plástico: Copos, garrafas, sacos e sacolas, frascos de produtos, embalagens, canos e tubos pvc, caneta (sem tinta), tampas, embalagens de produtos de limpeza.
Papel: Jornais e revistas, listas telefônicas, papel sulfite (rascunho), papel de fax, folhas de caderno, caixas em geral, aparas de papel, fotocópias, envelopes, rascunhos, cartazes velhos, caixa de pizza, cartolinas e papel cartão.
Vidros: Potes de conserva, embalagens, frascos de remédios vazios, copos, garrafas, vidros especiais (tampa de forno de micro-ondas).
Metal: Tampinha de garrafas, latas, enlatados, panelas sem cabo, ferragens, arames, chapas, canos, pregos, cobre, papel alumínio “limpo”.

 

2. Quais materiais não são recicláveis?

Plástico: Embalagem metalizada (café e salgadinho), Isopor e bandeja de isopor, cabos de panela, espuma, bandejas de plástico, acrílico.
Papel: Papéis sanitários, papéis plastificados, papéis engordurados, etiquetas adesivas, papéis parafinados, papel carbono, papel celofane, guardanapos, bitucas de cigarro, fotografias.
Vidros: Espelhos, boxes temperados, louças, óculos, cerâmicas, porcelanas, pirex, tubos de TV, monitores, para-brisa de carros.
Metal: Clipes, grampos, esponjas de aço, aerossóis, latas de verniz, latas de solvente químico, latas de inseticidas.
Resíduos Hospitalares: Curativos, gazes, algodão, seringas, etc.
Resíduos Especiais: Pilhas e baterias.

 

3. Qual a destinação adequada de medicamentos vencidos?

A partir do ano de 2009, um regulamento da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) possibilita que farmácias e drogarias participem de programas de coleta de resíduos de medicamentos para o descarte pela população. Caso não exista um ponto de descarte em sua cidade ou alguma iniciativa similar em sua região, o mais aconselhável é solicitar informações na UBS (Unidade Básica de Saúde), locais para receber orientação precisa de como realizar o descarte seguro. Geralmente os resíduos de medicamentos, as embalagens, os objetos utilizados para ministrá-los tem como destino final a incineração ou são levados até aterros industriais, dependendo do procedimento adotado por cada município.
Em Carazinho, diversas farmácias do município realizam a coleta dos resíduos citados.

 

4. Qual a destinação adequada do óleo de cozinha usado?

Além de entupir os encanamentos quando despejado na pia da cozinha, o óleo utilizado em frituras, quando destinado incorretamente, pode contaminar o solo, rios e mares, prejudicando a flora e fauna. Devido a estes riscos, o Departamento Municipal de Meio Ambiente (DEMA) conta com um ponto de coleta em que recepciona o óleo de cozinha usado e encaminha para fabricação de biodiesel.
Coloque o óleo de cozinha (sem resíduos de alimentos) em um recipiente de plástico, metálico ou de vidro sem vazamento, podendo ser garrafas de vidro ou PET, e entregue ao Departamento Municipal do Meio Ambiente para a sua destinação adequada.
 

5. Qual a destinação adequada das lâmpadas incandescentes e fluorescentes?

Em 2010 foi instituída a Política Nacional dos Resíduos Sólidos pela lei nº 12.305, a qual estabeleceu a Logística Reversa. De acordo com esta logística é responsabilidade dos fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes, dos consumidores e dos titulares dos serviços públicos de limpeza urbana e de manejo dos resíduos sólidos a destinação de alguns resíduos especiais, dentre eles as lâmpadas.
Para tanto, são feitos acordos setoriais entre os responsáveis para que os resíduos tenham uma destinação ambientalmente adequada.
No caso das lâmpadas, este acordo foi assinado em março de 2015 pelos fabricantes e pela União para que estes providenciem pontos de coleta, entretanto, conforme o documento, Carazinho será atendido somente em 2020.
Enquanto o município não contar com o ponto único de coleta instituído pelo acordo setorial, é de responsabilidade do comerciante receber, mediante comprovação da compra, as lâmpadas queimadas e encaminhar para o destino correto.

 

6. Qual a destinação adequada das pilhas e baterias?

Segundo o artigo primeiro da lei n° 6.938 do CONAMA “As pilhas e baterias que contenham em suas composições chumbo, cádmio, mercúrio e seus compostos, após o seu esgotamento energético, serão entregues pelos usuários aos estabelecimentos que a comercializam ou pontos de coleta para o seu repasse aos fabricantes ou empresas responsáveis, para adotarem o procedimento de reutilização, reciclagem, tratamento ou disposição final ambientalmente adequado”.
Em Carazinho, o Departamento Municipal do Meio Ambiente auxilia nesse processo, disponibilizando coletores de pilhas em pontos de grande circulação da cidade, que são encaminhados para a reciclagem e destinação final ambientalmente adequada, conforme logística reversa.

 

7. Qual a destinação adequada dos móveis usados?

Além de causar transtornos quando abandonados em locais públicos, móveis velhos poluem e tendem a contribuir para a ocorrência de enchentes. Algumas entidades assistenciais recebem doações de móveis em condições mínimas de uso. Já aqueles que se encontram em condições precárias, recomenda-se que sejam desmontados, aproveitando seus componentes. A madeira pode ser reaproveitada para outros fins e os restos de tecido podem ser descartados juntamente com o lixo doméstico comum.

 

8. Qual a destinação adequada dos eletroeletrônicos?

Equipamentos eletroeletrônicos possuem substâncias tóxicas que podem ser prejudiciais à saúde e ao meio ambiente se descartados de forma incorreta, podendo contaminar água e solo.
O DEMA promove coletas de lixo eletrônico periodicamente no município. Nestas ações, são recolhidos materiais eletrônicos em geral, com exceção de cartuchos, tonners e lâmpadas fluorescentes.
O material recolhido é encaminhado a empresas que efetuam a descontaminação, classificação e separação de seus resíduos, para então serem destinados a empresas recicladoras, especializadas em cada tipo de produto e licenciadas ambientalmente; retornando assim, para a cadeia produtiva como matéria prima, economizando os recursos naturais.
Fique atento à divulgação das datas para as campanhas de coleta destes resíduos. 

 

9. Qual a destinação adequada dos vidros quebrados?

Os cacos de vidro, ou o próprio vidro inteiro, podem ser dispensados no lixo doméstico, devendo ser acondicionados em uma caixa de papelão e bem identificados, evitando ferimentos em quem manuseia o material.

 

10. Qual a destinação adequada dos pneus usados?

Os pneus são resíduos de lenta degradação, que se dispostos ao ar livre propiciam o acúmulo de água, constituindo sério risco ao meio ambiente e à saúde pública, especialmente no que se refere à prevenção e controle do mosquito >Aedes aegyptii. Devido a estes problemas, o município conta com um centro de coleta de pneus. Para tanto, as empresas devem se cadastrar para entregar os pneus inservíveis no Ecoponto, localizado na Secretaria de Obras.
Os pneus recolhidos são transportados para empresas de trituração, que encaminham este resíduo para diversos fins. Uma das formas mais comuns de reaproveitamento dos pneus inservíveis é como combustível alternativo para as indústrias de cimento. Outros usos dos pneus triturados são na fabricação de solados de sapatos, borrachas de vedação, dutos pluviais, pisos para quadras poliesportivas, pisos industriais, além de tapetes para automóveis. Mais recentemente, surgiram estudos para utilização dos pneus inservíveis como componentes para a fabricação de manta asfáltica e asfalto-borracha. 

 

11. Qual a destinação adequada dos resíduos de construção civil?

A responsabilidade da destinação correta dos resíduos de construção civil é do gerador. Desta forma, recomenda-se o encaminhamento a aterros de construção civil licenciados.

Colaboração: Cristian Petry e Sabrina Vieira


[topo]